Quarta, 18 de Outubro de 2017 |
«LOULÉ ADAPTA» NOVA MARCA DO MUNICÍPIO À MOBILIDADE DOS MUNÍCIPES E VISITANTES

14:21 - 04/05/2016     577 visualizações LOULÉ
Atualizado em: 04/05/2016
Imprimir
Autarquia apresenta Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas

Foi apresentada ao público, na passada segunda-feira, na Sala da Assembleia Municipal, a nova marca corporativa que irá acompanhar toda a mudança de paradigma na Cidade e no Concelho de Loulé tendo em vista as adaptações às alterações climáticas. “Loulé Adapta” foi criada pela empresa Triplesky, sedeada em Almancil, e pretende “traduzir visualmente” todas as opções estratégicas inerentes a este desafio que se coloca aos louletanos.

Considerando que a comunicação é crucial para se obterem resultados desejáveis relacionados com sustentabilidade, “ Loulé Adapta” é uma marca assertiva que passará a partir de agora a fazer parte do dia-a-dia de todos os que vivem e/ou visitam este Município, referenciado e promovendo as boas práticas de sustentabilidade implementadas neste território.

Com base no logotipo do Município, os responsáveis pelo “Loulé Adapta” criaram um símbolo que reflete os ciclos das Natureza, proteção e movimento, e que transmite bem toda a essência deste processo de adaptação às alterações climáticas. A marca será adaptada aos diversos suportes e aplicações, desde uma brochura já editada, decoração, sinalética, outdoors, muppies, entre outros.

“Loulé Adapta” é a face visível das 28 opções de adaptação que fazem parte da Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas, apresentada numa sessão que contou com representantes de vários quadrantes da vida local.

A subida do nível do mar, o aumento da temperatura e da frequência e intensidade de eventos meteorológicos extremos como ondas de calor, secas, episódios de precipitação excessiva e concentrada, e consequentemente de incêndios, inundações, cheias e intensificação da erosão costeira, são alguns dos eventos e impactos com que o Município de Loulé terá que lidar no decorrer deste século, como resultado das alterações climáticas projetadas para o seu território, pelo que a Câmara Municipal desenvolveu esta Estratégia.

Este instrumento de adaptação do território e da gestão e ação municipal às mudanças climáticas tem, à cabeça, o Programa AdaPT, como explicaram as técnicas responsáveis Lídia Terra e Inês Rafael, que referiram que “de entre os 26 municípios que integram o projeto, Loulé é o único da região algarvia”.

Esta Estratégia tem como objetivo diminuir as vulnerabilidades atuais e futuras do Município, aumentar a sua capacidade adaptativa face aos eventos extremos projetados, salvaguardar o seu património humano, natural e material e contribuir para aumentar a consciencialização e a capacitação da população.

A elaboração do Plano de Contingência Municipal para Períodos de Seca, Plano de Ação Municipal para a Energia Sustentável, Programa Municipal para o Uso Eficiente da Água, a promoção da Mobilidade Sustentável, o reforço de espaços verdes e promoção de sustentabilidade ambiental, a criação do Observatório do Ambiente ou a reabilitação das ribeiras e galerias ripícolas associadas são algumas das opções estratégicas de adaptação.

Recorde-se que o projeto ClimAdaPT.Local, que envolveu 26 autarquias de todo o País na definição de Estratégias Municipais de Adaptação às Alterações Climáticas, é uma iniciativa no âmbito do Programa AdaPT (gerido pela Agência Portuguesa do Ambiente), dinamizado por um consórcio constituído por entidades portuguesas e norueguesas (academias, empresas, ONG ́s e municípios), envolvidas em estudos, elaboração de estratégias e implementação de ações de adaptação, bem como no planeamento e gestão do território ao nível municipal e regional, e liderado pela Fundação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FFCUL). 

O Programa AdaPT, desenvolvido para apoiar financeiramente a adaptação às alterações climáticas em Portugal, inscreve-se no estabelecido no Memorando de Entendimento entre Portugal, Noruega, Islândia e Liechtenstein.

Este foi, segundo o autarca Vítor Aleixo, “um projeto assumido pelo executivo desde o primeiro momento, que significa uma rutura com o que foi a gestão autárquica e que é um momento que marca em relação ao futuro”. Mas o presidente da Câmara de Loulé refere que esta mudança “exige de todos a transição para novos estilos de vida”.

Este responsável municipal aproveitou este momento para falar do apoio incondicional do Papa Francisco à causa ambiental e à sustentabilidade do Planeta, bem expresso na sua Carta Encíclica “Laudato Si”.

Aposta na mobilidade sustentável

Da teoria à prática, Carlos Delgado Pinto falou de uma das opções de adaptação que começou a ser implementada neste arranque do mês de maio: a promoção da mobilidade sustentável, contribuindo para a redução da emissão de CO2. “Temos aqui a possibilidade de passar das palavras às ações”, sublinhou um dos responsáveis do projeto “Viver Loulé”.

Este processo de adaptação da cidade de Loulé a um modelo sustentável e eficiente de mobilidade é um caso piloto para futura aplicação aos demais aglomerados urbanos, nomeadamente a Quarteira e Almancil.

O processo da mobilidade sustentável foca-se em 3 dimensões: uso racional das viaturas privadas; rede de transportes públicos eficiente e articulado; promoção da utilização de modos suaves - pedonal e ciclável.

No arranque do processo pretende-se envolver a comunidade escolar como agentes ativos das mudanças de paradigma, criando infraestruturas nas escolas (parqueamentos, oficinas, bicicletas de empréstimo), ações de sensibilização e a criação de percursos casa-escola acompanhados. Esta terça-feira, a Autarquia fez a entrega de bicicletas de uso partilhado às escolas da cidade: EB 2,3 Padre Cabanita, EB 2,3 Engº Duarte Pacheco e Secundária de Loulé.

As bicicletas foram adquiridas pelo Município, em processo de contratação pública nas lojas da especialidade do comércio local (SBikes, FreeBike e 2 Rodas).

No total são 36 unidades, 10 para cada uma das 3 escolas e 6 para uso dos funcionários da Autarquia. No total serão mais de 5 mil alunos, com idades compreendidas entre os 12 d os 18 anos, que irão usufruir deste sistema partilhado.

O sistema de uso partilhado será gerido por cada escola, tendo por base regras comuns de utilização, à semelhança de outras situações de empréstimos nas escolas, por exemplo dos livros. Os alunos registam-se como utilizadores com a devida autorização dos encarregados de educação e recebem um cartão de utilizador.

Também durante o mês de maio, a Câmara Municipal de Loulé irá analisar, com recurso a uma aplicação móvel, no âmbito do Cyclling Challange, os percursos mais usados pela comunidade para definir uma rede ciclável na cidade de Loulé.

Em setembro, durante a  Semana Europeia da Mobilidade, entre outras iniciativas, a Câmara Municipal de Loulé irá apresentar a rede ciclável da cidade. Serão ainda inaugurados parqueamentos de bicicleta em espaço urbano e realizadas várias iniciativas de sensibilização rodoviária, passeios e outros eventos.

 

Por: CM Loulé

 

 

 
Newsletter
Preencha o campo para subscrever a newsletter
notícias mais lidas


 
 
CATEGORIAS
A VOZ DO ALGARVE
APOIO AO CLIENTE
Visite-nos